fbpx
27 de junho: Dia Internacional das Pessoas Surdocegas

27 de junho: Dia Internacional das Pessoas Surdocegas

Confira a importância da data para promover a inclusão na sociedade

O Dia Internacional das Pessoas Surdocegas é comemorado em homenagem ao aniversário da americana Helen Keller, que foi a primeira pessoa com surdocegueira a cursar o nível superior.

A escritora e ativista social, alfabetizada com diferentes tipos de comunicação não convencionais, abriu caminho para a visibilidade do tema em diversos países. 

“Antes não se pensava na possibilidade de uma pessoa surdocega ter autonomia e independência, muito menos chegar a uma graduação. Foi a partir da Helen, que se mudou a perspectiva das pessoas em relação a surdocegueira”

afirma Hélio Fonseca, tradutor, intérprete e guia-intérprete de Libras há mais de 20 anos,que hoje atua no núcleo de acessibilidade da TV Cultura.

Durante a semana do dia 27 de junho, associações e movimentos de pessoas com surdocegueira aproveitam para criar ações, como palestras e eventos, com foco na conscientização da sociedade a respeito da inclusão na educação e no mercado de trabalho, além de políticas públicas para garantia dos direitos.

O que é surdocegueira?

A surdocegueira é uma deficiência sensorial, que compromete a audição e a visão. Pelo fato de os canais serem responsáveis pela recepção das informações, podem prejudicar no desenvolvimento, como da comunicação e linguagem.

Existem duas classificações para a surdocegueira: congênita, desde o nascimento, e a adquirida, que já nasce com uma das perdas e adquire a outra durante a vida, ou adquire as duas juntas ou separadas depois do nascimento.

As causas da surdocegueira podem variar, desde a relação com doenças contraídas durante a gestação, como citomegalovírus e rubéola, até síndromes genéticas, como a de Usher. 

Além disso, pode ser causada também pelo excesso de drogas e álcool, meningite, caxumba, entre outros.

Mas é preciso ser completamente surdo ou cego para ser considerado com surdocegueira?

Não. Assim como as outras deficiências únicas, existem diferentes graus para cada pessoa, e mesmo que se tenha baixa visão e audição, pode ser considerada surdocegueira, pois uma perda não pode compensar a outra.

Como funciona a comunicação das pessoas surdocegas?

Por ser uma deficiência que envolve características específicas com foco na mobilidade, informação e comunicação, é recomendado que a pessoa surdocega receba orientações e treinamentos junto ao guia-intérprete, com objetivo de desenvolver habilidades de autonomia para o dia a dia.

Isso porque existem diversos fatores que podem influenciar na hora da comunicação, como no caso de surdocegos pré-linguísticos que já nascem ou adquirem a deficiência antes de aprender uma língua, e os pós-linguísticos que já tinham conhecimento de pelo menos uma língua.

Por exemplo, se a pessoa já sabe português você pode utilizar a técnica do alfabeto dacticológico, escrevendo letra por letra na palma da mão.

O braille também é um recurso muito utilizado para estimular a escrita e leitura pelo tato, com o auxílio de máquinas braille, reglete e punção, e a linha braille para computadores, tablets e smartphones.

Outras formas de comunicação podem ser feitas por meio de tablitas de comunicação, CCTV, tellethouch, tadoma, entre outras.

O que fazer quando preciso me comunicar com um surdocego?

Provavelmente ao avistar uma pessoa surdocega sozinha na rua ou no transporte público, você vai ser capaz de identificá-la pelo uso da bengala vermelha e branca. 

Por isso, é muito importante realizar uma abordagem calma, tocando de leve no braço ou ombro para sinalizar que está ao lado dela, e em seguida, possivelmente, ela te mostrará algumas placas com frases explicativas sobre a situação.

Se ela estiver acompanhada, o ideal também é sempre perguntar para o guia-intérprete ou diretamente para pessoa surdocega, de que maneira você pode se comunicar.

Assim como qualquer pessoa, é muito comum que pessoas com deficiência não precisem de ajuda ou não queiram se comunicar. Portanto não é algo para se ofender. A dica é: antes de ajudar, sempre perguntar se a pessoa está confortável e necessita de ajuda naquele momento.

Criando ações para incluir a pessoa surdocega na sociedade 

Além de todos os recursos oferecidos para comunicação, ainda é preciso pensar em ações que incentivem e promovam a inclusão das pessoas com surdocegueira na sociedade.

Carlos Alberto Santana Júnior, 34 anos, com Síndrome de Usher, que já nasceu surdo e aos poucos perdeu a visão até completar 22 anos, é um dos autores do livro “Práticas de Interpretação Tátil e Comunicação Háptica para pessoa com Surdocegueira”, em parceria com o amigo e guia-intérprete Hélio Fonseca.

Fonte: Arquivo pessoal Hélio Fonseca / Da esquerda para a direita, Hélio Fonseca e Carlos Alberto Santana Júnior.
Fonte: Arquivo pessoal Hélio Fonseca / Da esquerda para a direita, Hélio Fonseca e Carlos Alberto Santana Júnior.

“Nós percebemos que ninguém usava as nossas técnicas de guia-interpretação e estratégias de Libras Tátil na orientação e mobilidade. Então, a nossa ideia foi divulgar o conhecimento que temos na área, para que outros surdocegos e guias-intérpretes possam ter acesso ao conteúdo”

declara Hélio

O livro conta com mais duas autoras, Katia Lourenço que aborda a parte histórica da deficiência, e Beatriz Canuto, tradutora, intérprete e guia-intérprete que aponta estratégias pedagógicas para crianças com surdocegueira.

Para saber mais informações sobre o livro, acesse o link: https://www.intralibras.com/product-page/livro


Cintia Alves de Sousa

Cintia Alves de Sousa
Jornalista especialista em mídia e reportagem, que busca constantemente por novos desafios no segmento da Comunicação Acessível, para contribuir com ações que valorizem a diversidade e a inclusão na sociedade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

);

Quer receber novidades
de como a acessibilidade
está transformando o mundo?

Seu cadastro foi efetuado com sucesso.

There was an error while trying to send your request. Please try again.

Guiaderodas will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.