fbpx
Acessibilidade em parques, praças e espaços livres

Acessibilidade em parques, praças e espaços livres

É imediato supor que os parques com rampas, sanitários e bons equipamentos estariam aptos a receber pessoas com deficiência. Não é bem assim!

“As cidades são locais onde as pessoas se encontram para trocar ideias, comprar e vender, ou simplesmente relaxar e se divertir. O domínio público de uma cidade – suas ruas, praças e parques – é o palco e catalisador dessas atividades.”

Richard Rogers

Podemos considerar que um espaço público de qualidade é aquele que permite acesso a todos oferecendo condições básicas de conforto e segurança. Segurança se conquista com a presença de pessoas, com usos diversificados, com espaços permeáveis ao olhar e ao caminhar. Conforto pode estar associado a uma boa infraestrutura.

Sob este prisma, é imediato supor que os parques com rampas, sanitários e bons equipamentos estariam aptos a receber pessoas com deficiência. Não é bem assim. Rampas, sinalização e sanitários são essenciais, mas não são suficientes para tornar um lugar acessível. 

Em várias partes do mundo têm-se estimulado o uso da bicicleta como meio modal, tem-se defendido conceitos urbanísticos onde o “morar perto” é mais que comodidade, é sustentabilidade. Mas na prática, os percursos entre a moradia e os espaços de lazer são sempre cheios de barreiras e desafios para o pedestre. A dificuldade se amplia progressivamente à medida que a deficiência é severa.

Ao sair de casa, ainda que possamos encontrar situações favoráveis no nosso destino, as barreiras poderão ser intransponíveis ao longo do trajeto. A acessibilidade tem início na cidade, na qualidade das calçadas e travessias e na eficácia da sinalização e do transporte.

Caminhos: a qualidade do pavimento

Uma rota acessível deve ser constituída de pisos firmes e estáveis, largos o suficiente para acomodar ao menos duas cadeiras de rodas, lado a lado. O ideal é que seja construída com materiais que permitam fácil manutenção e não ofereçam risco de queda, mesmo quando molhados.

Materiais emborrachados podem ser uma boa opção, pois se caracterizam como um piso resistente, regular, antiderrapante e atérmico. O uso da cor também é um bom recurso para delimitar caminhos, especialmente o vermelho que tem no verde sua cor complementar e oferece um contraste ideal entre piso e vegetação.

Quando bem executadas e preservadas, passarelas suspensas em madeira também são eficientes, pois garantem acesso sem alterar a topografia.

Acessibilidade em parques
Foz do Iguaçu, PR. / Araçoiaba da Serra, SP.

O projeto do pavimento também deve prever áreas drenantes e declividade que favoreça o escoamento de águas pluviais para evitar alagamentos, afinal, poças d’água também são obstáculos.

É preciso um cuidado especial para que haja pontos de descanso a cada 50m, preferencialmente intercalando espaços sombreados e expostos ao sol, fora das áreas de passagem.

Sinalização no piso

A sinalização tátil no piso deve ser utilizada para auxiliar pessoas com deficiência visual a trafegarem sozinhas. Ela não atende apenas aos cegos, mas também a pessoas com baixa visão como idosos, míopes severos e daltônicos, por esta razão precisa estabelecer contraste com o piso. 

Deve ser usada em duas situações específicas: para direcionar um caminho ou alertar a presença de obstáculos. Deve ser aplicada essencialmente onde for necessária, na medida em que a informação precisar ser passada. Sem exageros e com critério.

A Vegetação

A vegetação assume um papel primordial nas áreas de lazer, além de construir a paisagem, atrair pássaros e proporcionar sombra.

Se bem aplicada, ela estimula os sentidos e permite à pessoa com deficiência visual ampliar sua percepção sobre o espaço que a circunda.

Através do tato e do olfato, jardins sensoriais podem vir a compensar parcialmente a ausência da visão. Aprimorando a experiência do usuário, a audição também pode ser estimulada através da água e outros elementos que compõe o paisagismo. Os sons também podem ser usados como meio de informação e sinalização, associado à linguagem gráfica e visual.

Mas nem tudo são rosas.

Os espinhos e os galhos que se projetam sobre os caminhos são armadilhas para pessoas com deficiência visual, principalmente quando se encontram na altura do rosto.

Raízes invasivas podem danificar o piso e comprometer a segurança de quem caminha.

Por isso as podas de árvores e arbustos devem ser regulares, preservando as passagens e respeitando uma altura livre sob as copas de no mínimo 2,10m.

A escolha das plantas também é fundamental. 

Plantas largamente usadas no paisagismo, inclusive flores aparentemente belas e inofensivas, podem esconder perigos. É o caso da hortênsia, da espirradeira e até da popular azaléa, cuja ingestão pode causar distúrbios cardíacos e digestivos.

Espécies tóxicas, com pontas ou espinhos, devem ser evitadas nas áreas de proximidade com o público.

O mobiliário

Acessibilidade em parques

Nos últimos anos surgiram em várias partes do país, parques com brinquedos adaptados motivados pelas Leis 10.098:2000 e 13.443:2017, que estabeleceram a obrigatoriedade de brinquedos e equipamentos acessíveis na razão de 5% em parques de diversão e espaços públicos.

Para cumprir os princípios do Desenho Universal, os brinquedos devem permitir que crianças com e sem deficiência possam brincar juntas. Esse é o primeiro passo para a formação de um adulto que sabe respeitar as diferenças.

Os brinquedos devem favorecer a comunicação através de imagens e texturas, a troca de olhares, o desenvolvimento corporal, a interação em alturas e distâncias distintas, a alta estima e o convívio social.

Acessibilidade em parques
Fonte: Pinterest/Alpapato-AACD

Mas a acessibilidade nos parques infantis extrapola o universo da criança, pois pode ser que a deficiência seja dos pais. Nesse sentido, todos os espaços e seus equipamentos devem abranger as mais diversas necessidades, criando condições de socialização e interação irrestrita. Equipamentos como sanitários, trocadores e bebedouros, devem permitir que os pais com deficiência tenham autonomia para acompanhar seus filhos. Mapas táteis e informações visuais e em braile também são essenciais.

Os bebedouros devem garantir aproximação e uso autônomo, bancos devem permitir acomodar pessoas em cadeiras de rodas ao lado dos assentos e todo o conjunto de equipamentos deve ser pensado e passar por manutenção constante.

Acessibilidade em parques
Fonte: Pinterest/iStock

Alguns parques oferecem roteiros turísticos, ecológicos e esportivos voltados para pessoas com deficiência, incluindo trilhas sensoriais, passeio às cegas, arvorismo e até saltos de paraquedas. Essas atividades se realizam na plenitude quando permitem que pessoas com e sem deficiência tenham a mesma experiência. 

Acessibilidade em parques

Iluminação

Um detalhe que não pode ser menosprezado são as barreiras lumínicas causadas pela falta, pelo excesso ou pela má iluminação.

Em espaços abertos, é preciso estar atento à formação de sombras e ofuscamentos visuais, resultantes do mal posicionamento de alguns elementos em relação à incidência solar.

À noite, quando entra em cena a iluminação artificial, é preciso avaliar os efeitos que se quer alcançar. Sendo uma iluminação focada ou difusa, ela deve levar em conta a necessidade de manter as informações essenciais visíveis. Escadas, rampas e placas de sinalização devem receber uma luz uniforme que não interfira na cor e na forma desses elementos.

Uma das melhores praças do mundo

Pioneer Courthouse Square

A imagem acima é a vista aérea da Pionner Courthouse Square, conhecida com “sala de visitas de Portland” e considerada uma das melhores praças do mundo. Ela naturalmente convida quem passa pela 6ª Avenida ou pela S.W. Broadway a ingressar em seus generosos espaços. Apesar do grande desnível entre uma rua e outra, os 3.700 m2 da praça são absolutamente permeáveis.

A rampa semicircular que se desenvolve entre os degraus da arquibancada não tem corrimãos ou pisos táteis. No Brasil, esta solução estaria fora das normas e possivelmente não encontraria respaldo dos órgãos municipais, mas é este elemento que fortalece a sensação de pertencimento.

Contrariando as convenções, a rampa se apresenta tão bela quanto funcional.

Aqui, a acessibilidade é o elemento gerador e articulador da forma.

Talvez lugares assim tenham mais a nos dizer que palavras impressas em textos regulamentadores. Talvez estejamos no momento de dirigir o olhar a experiências que fazem sucesso e começar a entender a acessibilidade como item indissociável do desenho urbano. Quem sabe então, possamos efetivamente construir cidades acessíveis, embasadas nem tanto em um número incontável de leis, mas apenas e tão somente, em sete princípios básicos.


Cristiane Kröhling Bernardi

Cristiane Kröhling Bernardi
Arquiteta e Urbanista graduada pela PUC-Campinas, Mestre e doutoranda pelo IAU- Instituto de Arquitetura e Urbanismo da USP. Possui vasta experiência projetual e docente, concentrando pesquisas em Acessibilidade e Mobilidade Urbana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

);