fbpx
Biblioteca Acessível: dispositivo ajuda estudantes com deficiência visual em aulas remotas

Biblioteca Acessível: dispositivo ajuda estudantes com deficiência visual em aulas remotas

A “Biblioteca Acessível” é uma plataforma de ensino composta por um tablet, software para escrita e leitura, película de suporte à digitação e dispositivo portátil de leitura em braille

A pandemia trouxe a necessidade do ensino remoto, porém, a migração da sala de aula para os dispositivos digitais escancarou desigualdades. No caso dos alunos com deficiência visual, por exemplo, isso dificultou o processo de aprendizagem, uma vez que não foi possível para eles acompanharem uma apresentação de slides ou assistirem a um vídeo sem audiodescrição. 

Para diminuir esses impactos, o desenvolvedor de software Heyde Leão, 42, de Fortaleza (CE), criou a “Biblioteca Acessível”, plataforma de ensino composta por um tablet, software para escrita e leitura, película de suporte à digitação e dispositivo portátil de leitura em braille.

Criança vestida de vermelho lendo um livro em Braille.

Créditos: Reprodução/Instagram Biblioteca Acessível

O bluetooth é o que faz a invenção funcionar, pois ele aciona o programa instalado no mouse para realizar a leitura de todas as palavras que aparecem na tela do tablet. Isso também permite a transcrição automática dos textos para o código braille. Por meio da ferramenta, as pessoas com deficiência conseguem escutar o áudio dos livros que estão armazenados na memória interna do equipamento.

Segundo o desenvolvedor, o objetivo da ferramenta é possibilitar a navegação autônoma a estudantes cegos ou com baixa visão, ajudando a acessibilidade do ensino remoto. A ideia surgiu antes da pandemia, pensando em um cenário de educação à distância, mas a efetividade da criação ficou ainda maior agora, apesar de também ser útil para o ensino em sala de aula.

Desde o começo do isolamento social, Heyde tem ido a cidades do Ceará e de estados vizinhos para falar sobre a iniciativa a prefeitos e secretários de educação, e mostrar a necessidade de investir para melhorar a educação a estudantes com deficiência. A plataforma também foi apresentada à Secretaria Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência, vinculada ao Ministério da Mulher, Família e dos Direitos Humanos (MDH).

Atualmente, o desenvolvedor aguarda retorno da prefeitura de Fortaleza e de municípios do interior do estado, no entanto, a questão deveria ser mais prioritária. ”Escuto relatos de crianças e jovens com deficiência visual que estão sofrendo muito por estarem afastados, não da escola, mas do conhecimento”, declarou ao jornal O Povo. 

“Os alunos que não têm deficiência, ainda que tenham dificuldades, recebem conteúdos e conseguem fazer suas atividades. As crianças que não enxergam não têm sequer essa possibilidade. A nossa proposta, com essa ferramenta, é suprir essa carência. Isso deveria ser pensado com urgência pelas gestões e por todas as escolas, públicas ou privadas, de um modo geral”, reiterou o criador da ferramenta.


Heloisa Aun

Heloisa Aun

Jornalista e estudante de Letras na USP, trabalha desde o início da carreira com a temática dos direitos humanos e meio ambiente. Nos últimos anos, idealizou campanhas de combate ao assédio sexual e à violência doméstica. Também atua na área de educação em organizações e projetos sociais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abrir mensagem
);

Quer receber novidades
de como a acessibilidade
está transformando o mundo?

Seu cadastro foi efetuado com sucesso.

There was an error while trying to send your request. Please try again.

Guiaderodas will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.