fbpx
A importância do intérprete de Libras para a comunidade surda

A importância do intérprete de Libras para a comunidade surda

O trabalho desse profissional garante uma comunicação mais inclusiva para milhões de pessoas que utilizam a Língua Brasileira de Sinais

Ao longo da história, a comunidade surda vem empenhando esforços para assegurar o reconhecimento de seus direitos e o estabelecimento de uma sociedade mais igualitária. Um dos principais marcos dessa luta ocorreu em setembro de 2010, com a regulamentação da profissão de tradutor e intérprete de Libras (Língua Brasileira de Sinais), amparada pela Lei nº 12.319.

Esse profissional tem um papel fundamental na promoção da inclusão e do acesso à informação de milhões de pessoas surdas. A sua principal atribuição é garantir a intermediação comunitária entre os usuários da Língua Brasileira de Sinais, por meio da interpretação da língua oral-auditiva para a língua visuoespacial, e vice-versa. 

O intérprete de Libras pode atuar em diferentes contextos e ambientes, como escolas, universidades, repartições públicas, órgãos administrativos, congressos, empresas privadas, seminários e programas de televisão, só para citar alguns. Dessa forma, é possível proporcionar uma comunicação mais inclusiva e garantir a integração da comunidade surda na sociedade. 

A Língua Brasileira de Sinais

Apesar de a Libras ter sido criada no século XIX, ela só foi reconhecida como meio legal de comunicação e expressão em abril de 2002, com o estabelecimento da Lei nº 10.436. Essa conquista também foi um passo muito importante no processo de regulamentação da profissão de tradutor e intérprete de Libras e na inclusão de pessoas surdas no mercado de trabalho.

De maneira geral, o reconhecimento da Libras deu maior visibilidade para a comunidade surda, que representa cerca de 5% da população brasileira, ou 10 milhões de pessoas, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Posteriormente, em 2005, essa conquista também teve um grande impacto no ensino, pois a Libras tornou-se obrigatória nos cursos de licenciatura, pedagogia e fonoaudiologia.

Apesar de a Língua Brasileira de Sinais não ser considerada universal, como a língua oral, ela tem uma organização gramatical própria, com construções mais objetivas e flexíveis e estrutura morfológica, fonológica, sintática e semântica. Cada palavra corresponde a um sinal específico, e, nos casos em que não houver um sinal equivalente, é possível utilizar a soletração por meio do alfabeto em Libras. 

Assim como cada país tem uma língua oral, também é possível encontrar versões internacionais da língua de sinais: nos Estados Unidos, os surdos usam a Língua Americana de Sinais (ASL), e na França, a Língua de Sinais Francesa (LSF), por exemplo. 

A comunicação participativa, que é facilitada pelo uso da Libras, é fundamental para o desenvolvimento e o exercício da cidadania do surdo. Por isso, é necessário estimular e investir cada vez mais na capacitação de intérpretes da Língua Brasileira de Sinais, que têm um papel fundamental na promoção da inclusão social e do acesso à informação.

Para ficar por dentro de tudo o que acontece no universo da acessibilidade, acompanhe o Instagram do Guiaderodas!


Carina Melazzi

Carina Melazzi
Jornalista e produtora de conteúdo. Gosta de contar histórias e é apaixonada por viagens, montanhas e mar.

Comentários (2)

  1. 06/04/2022 no 10:09 am

    […] A importância do intérprete de Libras para a comunidade surda […]

  2. 06/04/2022 no 10:17 am

    […] A importância do intérprete de Libras para a comunidade surda […]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

);

Quer receber novidades
de como a acessibilidade
está transformando o mundo?

Seu cadastro foi efetuado com sucesso.

There was an error while trying to send your request. Please try again.

Guiaderodas will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.