fbpx
Câmara discute projeto para inclusão de braile nos preços

Câmara discute projeto para inclusão de braile nos preços

A medida visa a incorporação da identificação de produtos em braile 

Pensando em melhorar a qualidade de vida e promover a autonomia de pessoas com deficiência visual, a Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara dos Deputados debateu, neste mês, a instauração do Projeto de Lei 11068/18, que determina a inclusão de braile nos preços.

A inclusão de braile nos preços é eficaz também para o cumprimento do Código do Direito do Consumidor, permitindo que informações básicas sobre a composição dos produtos sejam de fácil compreensão. A audiência foi proposta por Jorge Braz, deputado do Republicanos-RJ, que é o relator do PL 11068/18 na Comissão de Defesa do Consumidor.

“Há interesse do varejo de alimentos, vontade e necessidade de atender pessoas com deficiência”, afirma Alvaro Furtado, representante da Câmara do Comércio de Gêneros Alimentícios da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

O executivo também pontua que, devido ao grande volume de produtos nos supermercados, a inclusão de braile nos preços não é viável e como alternativa sugere o uso de tecnologias para que haja uma comunicação mais abrangente.

“Analisando a razoabilidade da obrigação do braile na afixação de preços e de promoções, avaliamos que a ideia legislativa é boa, mas não leva à possibilidade de inclusão adequada do público com deficiência visual. O que o varejo alimentar defende é que tenhamos outras alternativas, como softwares que oferecem tecnologia inclusiva e que permitem que os cegos trabalhem, usem o computador, o transporte, tudo sem a necessidade do braile, que é usado por uma parcela mínima”, declara.

Inclusão de braile na leitura   

Um dos argumentos usados para defender o uso de tecnologia ao invés da inclusão de braile nos preços é a baixa aderência do sistema no país. Conforme dados do Censo Escolar 2010, 30% dos 3,5 milhões de crianças brasileiras de até 14 anos com deficiência visual estão fora da escola, fator que dificulta a propagação do sistema.

O sistema foi criado em 1925, pelo francês Louis Braille e difundido mundialmente. No Brasil, a chegada se deu em 1940 e acompanhou as mudanças da Língua Portuguesa, no entanto, de forma desordenada. 

A falta de padronização acarretou na criação da Comissão Brasileira do Braile, a qual em 2002 lançou um documento técnico normativo voltado a professores e passou a ser amplamente utilizado, conforme orientação da União Mundial de Cegos e da Unesco.

O sistema braile é baseado em pontos com relevo em papéis, que são lidos com a ponta dos dedos. Por meio do tato e da combinação de seis pontos é possível fazer até 63 caracteres diferentes. Além da grafia para a Língua Portuguesa, a linguagem possui outros referenciais que permitem que o cego leia e produza seus próprios conteúdos, como música, informática, código matemático e químico.


Felipe Lima

Jornalista formado pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM) e redator web desde 2017, especializado em SEO pela Comschool. Profissional que acredita no poder das palavras e na transmissão de histórias.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abrir mensagem
);

Quer receber novidades
de como a acessibilidade
está transformando o mundo?

Seu cadastro foi efetuado com sucesso.

There was an error while trying to send your request. Please try again.

Guiaderodas will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.