fbpx
Como atender pessoas autistas em estabelecimentos

Como atender pessoas autistas em estabelecimentos

O Brasil conta com uma série de leis e orientações para atender autistas e tornar os estabelecimentos mais inclusivos; confira a lista

Atender pessoas autistas e suas famílias nos estabelecimentos requer uma série de cuidados e adaptações, previstos por leis estaduais, municipais e federais. Antes mesmo de pensar em ações próprias para tal público, esses locais devem seguir as legislações vigentes. De acordo com a Lei Federal Berenice Piana Nr. 12.764, de 27 de dezembro de 2013, todo autista é considerado uma pessoa com deficiência, portanto, deve se valer dos mesmos direitos.

Para além da inclusão como PCD, é preciso saber que há uma série de regras que facilitam o dia a dia de autistas, ainda mais tratando-se de uma deficiência não-visível e pouco abordada pela sociedade de modo geral. O Blog Ideia Boa, do Guiaderodas, reuniu algumas dicas que mostram como atender esse grupo da melhor maneira possível, seja em espaços públicos ou privados.

Confira a lista abaixo:

1 – Filas de museus, parques, restaurantes, bancos…

É preciso respeitar o atendimento prioritário a pessoas com deficiência nesses lugares, o que inclui os autistas. Tal determinação é uma Lei Federal, de número 10.048/2000. A prioridade significa ter um tratamento diferenciado e imediato. O não cumprimento desse direito leva à aplicação de penalidades previstas na legislação. Algumas cidades também contam com leis específicas que garantem essa prioridade nos estabelecimentos comerciais e de serviços, como São Paulo. Informe-se e dissemine esse conhecimento!

2.  Sinalização

Você sabia que, em 2018, parte dos estados criou uma lei que obriga todos os estabelecimentos a colocarem o laço colorido, símbolo internacional do autismo, junto das placas de atendimento prioritário? Pois bem. Já em 2020, a Lei Federal Romeu Mion Nr. 13.977, de 08/01/2020, levou essa premissa para todo o Brasil.

3.  Assentos reservados

Pessoas autistas podem utilizar os assentos reservados, assim como revela o Decreto Nr. 9.404, de 11 de junho de 2018. Para maior eficiência, esses bancos deveriam estar identificados com o laço colorido.

4.  Meia entrada

Já a meia entrada para a pessoa com deficiência e seu acompanhante é uma Lei Federal, no entanto, não inclui todos os tipos de eventos e estabelecimentos.5.  Durante a adaptação do local, é importante oferecer uma capacitação para os funcionários lidarem e acolherem pessoas autistas que frequentarem o espaço, o que pressupõe dicas do que dizer e não dizer, como se portar em determinadas situações, entre outras. Ademais, inserir o símbolo do autismo em placas e assentos ajuda a garantir que a inclusão ocorra de forma mais completa.

Transtorno do Espectro Autista

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) atinge uma a cada 54 crianças no mundo, porém, ainda há dificuldades na realização de diagnósticos corretos e tratamentos.

Segundo informações do portal do médico Drauzio Varella, o TEA inclui condições distintas caracterizadas por perturbações do desenvolvimento neurológico com três pontos essenciais, que podem ocorrer juntos ou de forma separada. Entre eles, estão a dificuldade de comunicação devido à deficiência no domínio da linguagem e no uso da imaginação para relacionar-se com jogos simbólicos, falta de socialização e padrão de comportamento restritivo e repetitivo.

O uso do termo “espectro” se dá pelo envolvimento de situações e apresentações diferentes umas das outras, de acordo com uma gradação mais leve ou mais grave. Contudo, independentemente do grau, essas ocasiões envolvem dificuldades de comunicação e relacionamento social.

Compartilhe informação!

Você tem um estabelecimento ou conhece alguém que tenha, mas não sabe bem sobre as leis e orientações para atender pessoas autistas? Compartilhe o conteúdo e baixe o laço colorido, símbolo internacional do autismo, para inserir nas placas de atendimento prioritário.

Símbolo do autismo

Baixe aqui o símbolo

esporte para pessoas com autismo

Os benefícios do esporte para pessoas com autismo


Heloisa Aun

Heloisa Aun

Jornalista e estudante de Letras na USP, trabalha desde o início da carreira com a temática dos direitos humanos e meio ambiente. Nos últimos anos, idealizou campanhas de combate ao assédio sexual e à violência doméstica. Também atua na área de educação em organizações e projetos sociais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abrir mensagem
);

Quer receber novidades
de como a acessibilidade
está transformando o mundo?

Seu cadastro foi efetuado com sucesso.

There was an error while trying to send your request. Please try again.

Guiaderodas will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.