fbpx
Hipismo paralímpico, equoterapia e os benefícios para pessoas com deficiência

Hipismo paralímpico, equoterapia e os benefícios para pessoas com deficiência

O hipismo é um esporte diferente. Não é coletivo, mas também não é exatamente individual

É o único que une o ser humano a um animal. E é dessa união que nasce uma modalidade que extrapola o fator competitivo e se torna uma forte ferramenta de inclusão, além de trazer incontáveis benefícios corporais e psicológicos para pessoas com deficiência. Por isso, antes de falar sobre o hipismo paralímpico, precisamos falar da equoterapia. 

A equoterapia se consolidou no Brasil a partir de 1989 com a criação da Associação Nacional de Equoterapia (Ande-Brasil). Segundo a entidade, a prática consiste em um método terapêutico que utiliza o cavalo para promover ganhos físicos e psíquicos em pessoas com deficiências, sem restrição de idade. 

Ainda de acordo com a Ande-Brasil, a equoterapia faz uso do corpo todo, contribuindo então para o desenvolvimento da força muscular, conscientização corporal e o aperfeiçoamento da coordenação motora, da postura e do equilíbrio.

Além disso, a interação com o cavalo pode trazer novas formas de socialização e autoconfiança. Por isso, a prática é bastante indicada e comum para pessoas com autismo, já que consegue atuar também na área emocional. 

Hoje, o Brasil já conta com mais de 300 centros de equoterapia espalhados pelo país. E a lista completa está no site da Ande-Brasil (http://equoterapia.org.br/submit_forms/index/miid/148/a/us/sfid/3). 

Da equoterapia ao hipismo

De acordo com as necessidades e objetivos de cada pessoa, podem ser usadas diferentes abordagens e estratégias dentro da equoterapia. Assim, a Ande-Brasil divide a técnica em quatro estágios. 

O primeiro é a hipoterapia, quando o paciente não possui condições físicas de se manter sozinho sobre o cavalo, precisando do auxílio de um guia/terapeuta. O segundo estágio é o de educação e reeducação, em que a pessoa já apresenta menor dependência do guia, com maiores condições de se manter sozinho no animal. 

A terceira fase corresponde à pré-esportiva, na qual o praticante já tem pleno domínio do cavalo, podendo trabalhar técnicas de inserção social através do animal. E por fim, o quarto estágio é o esportivo, quando se chega, de fato, ao hipismo, sendo encaminhada a uma escola de paraequitação e podendo participar de competições. 

O hipismo paralímpico

O conceito esportivo do hipismo paralímpico se concretizou no Brasil a partir do ano 2000, com o apoio da fisioterapeuta Gabriele B. Walter, pioneira na área, a da Ande-Brasil. Dois anos depois, a CBH (Confederação Brasileira de Hipismo) passou a regulamentar o esporte, promovendo o primeiro Campeonato Brasileiro de Adestramento Paraequestre em 2003. 

O hipismo paralímpico pode ser praticado por pessoas com deficiência física nos membros inferiores, baixa estatura, deficientes visuais e paralisados. Os cavaleiros e amazonas são classificados de acordo com a sua deficiência e julgados pela sua capacidade ou habilidade equestre. O grau de deficiência varia de IA, a mais severa, ao IV, a menos severa.

hipismo paralimpico

Além disso, diferentemente das provas de hipismo olímpico, que possuem provas de adestramento, saltos e Concurso Completo de Equitação (CCE), o hipismo paralímpico contempla somente as provas de adestramento. E as competições são mistas, ou seja, homens e mulheres disputam as mesmas provas. 

Hoje, a modalidade é praticada em mais de 40 países. No Brasil, é possível buscar escolas, clubes e associações que possuem a paraequitação através dos sites do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) e da Confederação Brasileira de Hipismo (CBH).

Por fim, vale destacar que o hipismo paralímpico tem crescido bastante entre os brasileiros nos últimos anos. Não à toa, os melhores resultados do país nos Jogos Paralímpicos aconteceram em Pequim 2008 e na Rio 2016. Marcos Fernandes Alves, o Joca, foi responsável por faturar duas medalhas de bronze para o Brasil na China, enquanto Sérgio Oliva repetiu o feito nos Jogos do Brasil, quatro anos depois.

esporte paralímpico

Saiba mais sobre Esportes Paralímpicos


Fernanda Zalcman
Jornalista, curiosa por natureza e apaixonada por fazer a diferença. Encontrou no esporte um propósito: inspirar e dar voz à histórias e pessoas que por vezes estão escondidas. Porque todos importam e merecem espaço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

);

Quer receber novidades
de como a acessibilidade
está transformando o mundo?

Seu cadastro foi efetuado com sucesso.

There was an error while trying to send your request. Please try again.

Guiaderodas will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.