Libras na escola: Sinais para a inclusão

Libras na escola: Sinais para a inclusão

O exercício da língua está essencialmente ligado com a participação plena da sociedade

Seja através da escrita ou da fala, é a linguagem que torna possível a construção de novos saberes, o desenvolvimento humano, a produção de conhecimento e a inserção em uma socialização adequada.

Este conceito foi estudado pelo filósofo russo Mikhail Bakhtin na primeira metade do século XX. Para ele, a linguagem existe a partir de um sistema extremamente complexo de diálogos e essa utilização se efetiva em forma de enunciados que surgem pela atividade humana.

E, quando se trata de pessoas com deficiência – no caso auditiva -, a situação não só não é diferente, como exige um preparo e uma compreensão mais ampla. Assim, o ensino de Libras em escolas é pauta aprovada no Congresso, mas, infelizmente, ainda não é uma realidade consolidada.

Há 20 anos

Há mais de 10 milhões de surdos no Brasil, de acordo com o IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. E, através de ampla mobilização da comunidade surda na luta por seus direitos, foi instituída, há exatos 20 anos, a Língua Brasileira de Sinais, conhecida amplamente por Libras.

A educação de surdos no país remonta à instalação da primeira escola para pessoas com deficiência auditiva, ainda no século XIX. O pioneiro na educação de surdos foi o professor francês Ernest Huet, que se mudou para o Brasil em 1855 a convite do imperador Dom Pedro II.

Expressão e integração

A Libras se dá a movimentos e expressões faciais compreendidas pelo receptor da mensagem. Conhecê-la, aprendê-la e ensiná-la, são formas de respeito, abrindo sempre  a oportunidade do diálogo, possibilitando que se possa ter não apenas a horizontalidade da comunicação, mas também uma integração mais igualitária na sociedade.

Para se ter esse avanço, as escolas devem oferecer mais do que simples acesso à educação. A parte social é desenvolvida para a inclusão plena, garantindo assim, condições para a permanência, evitando a evasão escolar. Desse modo, a participação do aluno com deficiência auditiva requer espaço acolhedor, com serviços e recursos de acessibilidade.

O ensino de Libras nas escolas, além de pedagógico em sua essência, é um ato de inclusão social. Além disso, é na infância que se costuma ter mais facilidade para o aprendizado de uma nova língua. Após a apresentação das letras, são ensinadas as palavras e expressões que cada gesto significa. 

Bilíngue

Quem sabe se comunicar através de Libras pode ser considerado uma pessoa bilíngue, o que é uma oportunidade de desenvolvimento pessoal e para o mercado de trabalho. Há bastante demanda para a especialização e todas as regiões do país possuem faculdade de Letras-Libras para formar professores da educação básica e intérpretes da Língua Brasileira de Sinais.


Bruno Matheus

Bruno Matheus

Jornalista, escritor, músico. Tentando entender e mudar o mundo desde 1985.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

);

Quer receber novidades
de como a acessibilidade
está transformando o mundo?

Seu cadastro foi efetuado com sucesso.

There was an error while trying to send your request. Please try again.

Guiaderodas will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.