fbpx
Ações de Inclusão de alunos com Síndrome de Down nas escolas

Ações de Inclusão de alunos com Síndrome de Down nas escolas

O convívio em um mesmo ambiente escolar entre alunos com Síndrome de Down e colegas promove o maior desenvolvimento humano e social de todos

Muitas escolas e professores ainda não estão preparados para a inclusão de alunos com Síndrome de Down, mas a educação é para todos. E por mais que seja um desafio a discussão sobre este assunto é essencial para a promoção de uma cultura inclusiva no processo de aprendizagem.

No ambiente escolar é normal que cada criança tenha um perfil diferente, apresentando mais facilidade em certas áreas e mais dificuldades em outras. E a mesma coisa acontece com crianças com Síndrome de Down, que apenas necessitam de uma atenção mais específica.

Professores e o ensino à crianças com Síndrome de Down

O primeiro passo para profissionais e professores no ensino de crianças com Síndrome de Down é conhecer as características da síndrome, a própria criança e suas principais áreas de dificuldades.

Assim, torna-se mais fácil adequar a forma de abordagem, de ensino e o próprio planejamento pedagógico, pois não existe uma forma correta ou única de ensinar. Para isso existe o Plano de Aprendizagem Individual (PAI), uma forma de trabalhar as áreas que demandam mais atenção em cada criança. 

Neste processo o aspecto cognitivo também deve ser levado em conta. Muitas crianças com Síndrome de Down apresentam Deficiência Intelectual (DI), que resulta em maior dificuldade de raciocinar e compreender as coisas, bem como são afetadas as habilidades práticas e sociais. Tal quadro pode resultar em maior hiperatividade, inquietação e distração, aspectos essenciais para que consigam aprender os conteúdos.

Por isso existem técnicas que contribuem para captar a atenção das crianças e ajudá-las no processo de aprendizagem, como:

  • Criar rotinas
  • Usar sinais e gestos
  • Realizar atividades práticas
  • Variar e adaptar atividades e materiais
  • Usar recursos visuais (fotos, objetos de referência, imagens, etc)
  • Usar mais de um formato de atividade para ensinar a mesma coisa

A evolução e aprendizado não devem ser medidos na comparação aos demais, mas em relação a ele próprio. O objetivo é que haja um avanço em relação aos seus próprios limites.

Dificuldades de fala e linguagem

Crianças com Síndrome de Down costumam ter dificuldades de fala e  linguagem. Por isso é comum as pessoas pensarem que elas não entendem o que ouvem. Assim, muitos adultos e professores deixam por exemplo de fazer perguntas ou não explicam à criança o que está acontecendo em certas situações. Por isso é importante fazer com que elas participem de conversas, deixando que falem por si mesmas.

Inclusão de crianças com Síndrome de Down nas escolhas

Para a inclusão de crianças com Síndrome de Down nas escolhas a adequação da comunicação e linguagem são importantes, por isso os professores e colegas devem ouvi-los, olhar diretamente nos olhos, proferir frases curtas e claras, evitar palavras com possíveis interpretações diferentes, usar gestos e expressões visuais para reforçar o entendimento e motivar que falem e se expressem.

Assim a criança se sentirá mais à vontade para participar da aula e interagir com os colegas, aprendendo a responder, compartilhar, esperar e todos os demais comportamento de um ambiente de convívio social.

Os objetivos da inclusão dos alunos com Síndrome de Down na escola também incluem benefícios a ele próprio e a seu desenvolvimento, como aprender a trabalhar em conjunto e individualmente, ter empatia, desenvolver habilidades e também aprender a seguir regras a partir das normas escolares.

Socialização e aprendizagem em conjunto

A inclusão de crianças com Síndrome de Down também deve ser realizada por meio da socialização, com o incentivo à participação em situações de aprendizagem em conjunto. O trabalho em equipe gera aprendizagem para todos, por isso o essencial é que haja o revezamento de alunos nos grupos. 

Além disso, os colegas e professores devem ajudar, mas o apoio deve ser oferecido na medida certa. Isso porque este processo envolve a autonomia, de modo que as crianças com Síndrome de Down sintam-se pertencentes. Assim, também devem ser atribuídas a elas tarefas como apagar a lousa ou distribuir materiais, desenvolvendo seu senso de responsabilidade e independência. 

Respeito e tolerância são as chaves para que o aluno com Síndrome de Down sinta-se pertencente ao ambiente escolar, aprendendo não só conteúdos programáticos, mas a conviver socialmente e fazer amigos.


 Thais Barion

Thais Barion
Jornalista e mestranda em Comunicação pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), com experiência em redação, assessoria de imprensa e mídias digitais. Apaixonada por livros e pela escrita acredita que o respeito, humildade e igualdade são aspectos essenciais para um mundo melhor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abrir mensagem
);

Quer receber novidades
de como a acessibilidade
está transformando o mundo?

Seu cadastro foi efetuado com sucesso.

There was an error while trying to send your request. Please try again.

Guiaderodas will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.