fbpx
Biblioteca Falada: Aplicativo de geolocalização e acessibilidade a pessoas com deficiência visual

Biblioteca Falada: Aplicativo de geolocalização e acessibilidade a pessoas com deficiência visual

Projeto de extensão Biblioteca Falada promove acessibilidade a pessoas com deficiência visual por meio de aplicativo de geolocalização e sonorização de textos e imagens

As pessoas são bombardeadas por informações e conteúdos a todo o momento. A notícia do jornal impresso na mesa do trabalho, o celular emitindo notificações, o comercial na televisão da sala de espera, as propagandas em outdoor, as fotos e textos das redes sociais.

Mas você já parou para pensar que nem todos têm acesso a tudo isso? Ou ainda, qual a sensação de poder assistir ao filme ou ler o livro que quiser?

É neste sentido, com o objetivo de ampliar as possibilidades de acesso a pessoas com deficiência visual, que a Biblioteca Falada promove a adaptação de conteúdos de diversos formatos para o áudio. Também realiza trabalhos de audiodescrição e atualmente desenvolve um aplicativo de mapa sonoro acessível da cidade de Bauru. Quer saber mais?

O que é a Biblioteca Falada

Biblioteca Falada é um projeto de extensão universitária da Unesp de Bauru –  Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação (FAAC), que promove acessibilidade a partir da adaptação e transposição de materiais imagéticos e textuais para o formato de áudio. Desenvolvido por alunos e professores universitários, o trabalho consiste em transformar qualquer material em uma linguagem acessível, promovendo a inclusão social. 

O projeto é coordenado desde 2013 pela professora Suely Maciel, pós-doutora em Comunicação pela Universidade Autônoma de Barcelona, com experiência profissional em Jornalismo e Editoração na área de acessibilidade. Segundo ela, a Biblioteca Falada permite o contato dos participantes do projeto com a realidade das pessoas com deficiência visual, contribuindo para que os alunos desenvolvam senso crítico, noções de cidadania e de direitos humanos.

O projeto adapta conteúdos literários, jornalísticos ou de entretenimento de diversos formatos, tanto impressos como digitais, e realiza a audiodescrição de vídeos, imagens e até mesmo de ambientes, contribuindo para o melhor desenvolvimento das capacidades de recepção auditiva das pessoas com deficiência visual. 

Recentemente a Biblioteca Falada passou por modificações em sua estrutura e ampliou sua atuação a partir de um novo projeto: criar um aplicativo de geolocalização e mapeamento de locais de interesse de pessoas com deficiência visual.

Aplicativo de geolocalização descreve ambientes e paisagens

A maior parte das atividades da Biblioteca Falada atualmente é voltada para o desenvolvimento de um aplicativo que visa acessibilizar e mapear, a partir do uso da comunicação, os locais de interesse e principais pontos turísticos a pessoas com deficiência visual.

O Siga – Guia Acessível da Cidade, inicialmente é desenvolvido com base nos locais da cidade de Bauru, mas a pretensão é que seja ampliado a outros municípios. Para cada lugar do mapa são dois áudios: um histórico informativo contando mais sobre o local;  e outro audiodescritivo daquele ambiente ou paisagem. Para isso o projeto conta com a colaboração do professor Célio José Losnak, doutor em História Social.

Como é o processo de trabalho da Biblioteca Falada?

Participam em média 35 estudantes de diversos cursos: psicologia, jornalismo, relações públicas, engenharia de produção, arquitetura e artes visuais. Atuando em quatro diferentes núcleos: gestão interna, produção, audiodescrição e relações externas, além da equipe de tecnologia responsável pelo desenvolvimento do aplicativo.

No processo de sonorização primeiro é realizado a coleta de informações sobre os assuntos para a escrita dos roteiros, que são passados para a equipe de locução e posteriormente edição, etapa que inclui o background (fundo musical), vinheta e demais artifícios de sonoplastia.

No núcleo de audiodescrição as imagens são descritas em palavras, ou seja, é narrado o que a cena possui, os componentes em que estão presentes e outras informações que ampliam a compreensão do conteúdo integral dos produtos audiovisuais: sejam vídeos, fotografias, imagens, desenhos, novelas e até mesmo filmes. Mas agora o foco desta equipe é em audiodescrever os ambientes e paisagens para o aplicativo Siga.

Inclusão social e acessibilidade é o foco do projeto

O trabalho do projeto Biblioteca Falada, além de maior conhecimento e atividade intelectual, promove o desenvolvimento das aptidões de audição e audioleitura de pessoas com deficiência visual. Ampliando seus horizontes antes restritos somente a conteúdos sonoros ou em braille – sistema de escrita a partir de pontos de relevo que permite a leitura pelo tato.

Além disso, o projeto também auxilia crianças e pessoas que não conhecem este sistema de escrita. A Biblioteca Falada proporciona assim benefícios como independência e autonomia, aspectos que repercutem em maior autoestima e inclusão social.

Tem interesse por ações como essa? Confira nosso blog e continue acompanhando os conteúdos.


 Thais Barion

Thais Barion
Jornalista e mestranda em Comunicação pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), com experiência em redação, assessoria de imprensa e mídias digitais. Apaixonada por livros e pela escrita acredita que o respeito, humildade e igualdade são aspectos essenciais para um mundo melhor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abrir mensagem
);

Quer receber novidades
de como a acessibilidade
está transformando o mundo?

Seu cadastro foi efetuado com sucesso.

There was an error while trying to send your request. Please try again.

Guiaderodas will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.