Projeto social disponibiliza audiolivros para pessoas com deficiência visual

Projeto social disponibiliza audiolivros para pessoas com deficiência visual

Os materiais são distribuídos de forma gratuita nas escolas e bibliotecas de Ribeirão Preto, em São Paulo

O audiolivro é uma ferramenta essencial para pessoas cegas e com baixa visão, uma vez que esse formato de livro democratiza o acesso à cultura. Pensando nisso, a Adevirp (Associação dos Deficientes Visuais de Ribeirão Preto e Região) criou o projeto “Vozes que iluminam vidas e pontos que leem o mundo”. 

O objetivo da iniciativa é expandir as possibilidades de aprendizado no âmbito do conhecimento cultural, garantir a inclusão dos participantes no ensino regular e no mercado de trabalho e diminuir as barreiras vividas por pessoas com deficiência visual de todas as faixas etárias. 

O projeto conta com a parceria da Prosegur, empresa do setor de segurança privada e transporte de valores, por meio do PRONAS/PCD – Programa Nacional de Apoio à Atenção à Saúde da Pessoa com Deficiência.

O acesso à cultura é um direito de todos

O projeto começou em dezembro de 2020 e, desde então, mais de 56 obras paradidáticas e didáticas, que fazem parte do plano anual do ensino fundamental e médio, foram adaptadas para audiolivros. A equipe que realiza as adequações das publicações escritas é composta por diferentes profissionais, incluindo ledores, editores multimídia, audiodescritores, pedagogo, terapeuta ocupacional e coordenador técnico.

Para ampliar o acesso à cultura às crianças, jovens, adultos e idosos, os audiolivros são distribuídos de forma gratuita nas escolas municipais e estaduais de Ribeirão Preto, que tenham um ou mais alunos com deficiência visual ou baixa visão matriculados. O acervo inclui obras paradidáticas de autores renomados da literatura brasileira e mundial, como Pedro Bandeira, Clarice Lispector e George Orwell.

Além disso, alguns livros são emprestados por universidades parceiras e disponibilizados nas diretorias de ensino da região e na Biblioteca Sinhá Junqueira, que recebeu adaptações para pessoas cegas e com baixa visão e hoje conta com uma sala de acessibilidade.

A Adevirp também possui uma biblioteca aberta ao público com deficiência visual, com um acervo em braille de 821 exemplares, 1.365 audiolivros e 1.415 publicações escritas. As pessoas podem ouvir os livros no local ou então pegar emprestado com um pedagogo, que fica à disposição durante todo o horário de funcionamento da biblioteca.

Saiba mais sobre a Biblioteca Falada, aplicativo de geolocalização e acessibilidade para pessoas com deficiência visual.
Se você quer ficar por dentro de outras iniciativas de acessibilidade, siga a página do Guiaderodas no Instagram e acompanhe o nosso blog!


Carina Melazzi

Carina Melazzi
Jornalista e produtora de conteúdo. Gosta de contar histórias e é apaixonada por viagens, montanhas e mar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

);

Quer receber novidades
de como a acessibilidade
está transformando o mundo?

Seu cadastro foi efetuado com sucesso.

There was an error while trying to send your request. Please try again.

Guiaderodas will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.