fbpx
Educação inclusiva: como ser um professor capacitado para atender pessoas com deficiência

Educação inclusiva: como ser um professor capacitado para atender pessoas com deficiência

Ser professor é buscar entender as realidades de cada estudante e promover a inclusão por meio da educação; confira algumas dicas para se capacitar e acolher pessoas com deficiência

A Constituição Federal garante às pessoas com deficiência (PCDs) o direito à educação de qualidade no ensino regular em instituições públicas. No entanto, para promover a inclusão, é preciso que o professor, diretor e demais funcionários recebam orientação e assistência para lidarem com as particularidades educativas de cada estudante. Seja na escola particular ou pública, os docentes enfrentam alguns desafios para se adaptarem às necessidades evidenciadas no dia a dia.

Segundo a pesquisa “O que a população brasileira pensa sobre educação inclusiva”, encomendada pelo Instituto Alana ao Datafolha, 86% dos entrevistados acreditam que “as escolas ficam melhores quando incluem alunos com deficiência” e 76% afirmam que “crianças com deficiência aprendem mais estudando com crianças sem deficiência”. O levantamento, que ouviu 2.074 pessoas em 130 municípios do país, também mostrou que há uma desinformação sobre o assunto. Para 67% das pessoas, os professores não têm a formação necessária para ensinar crianças com deficiência, o que dificulta a inclusão de forma geral. Ainda hoje, 26% das crianças de zero a 14 anos com deficiência estão fora da escola.

Inclusão e acolhimento na prática

Mas como o professor pode se capacitar para melhor atender pessoas com deficiência? Há uma série de ações possíveis para colocar em prática. A primeira delas é entender, junto à família, qual é o tipo de deficiência de cada aluno, quando foi identificada e suas particularidades no dia a dia. Por exemplo, jovens com espectro autista têm um dos sentidos mais aguçados que os demais, então, podem ser hipersensíveis aos estímulos visuais fortes.

A segunda iniciativa é elaborar atividades para que o estudante se sinta totalmente parte da dinâmica da escola. A partir das informações sobre a criança ou adolescente e sua deficiência, o professor consegue orientar, muitas vezes com a ajuda de um auxiliar ou profissional de apoio, dinâmicas nas quais serão exploradas suas potencialidades, a diversidade e a inclusão na turma. Nesses casos, foque em ter uma comunicação de fácil acesso e compreendida por todos de igual maneira.

Nesse sentido, a relação de proximidade entre estudante com deficiência e professor facilita o acompanhamento lado a lado, especialmente em momentos de maior atenção. É importante tratar o aluno assim como os demais, sem qualquer comentário ou ação que insinue que o jovem seja diferente dos colegas. O acolhimento inclui uma atitude de diálogo frequente sobre seus sonhos e interesses, que devem ser trabalhados por meio dos conteúdos específicos ao longo do ano.

Para além do vínculo entre professor e aluno, não há inclusão sem que os colegas demonstrem acolhimento no dia a dia. Há alguns caminhos factíveis, como propor a alguns estudantes mais solícitos e sensíveis que convidem esse menino ou menina com deficiência nos intervalos ou trabalhos em grupo. 

Atividades múltiplas, vínculos fortes

O trabalho ao lado de alunos com deficiência revela a importância de se pensar em atividades lúdicas, somadas às tradicionais. Sejam jogos, músicas ou filmes, busque sempre trabalhar com o desenvolvimento do raciocínio lógico e a construção do senso de coletividade por meio da interação dos estudantes nessas ocasiões.

Haver uma rotatividade de ensino, ou seja, mostrar o conteúdo em diversos formatos, varia como a matéria é passada na comunicação entre professor e aluno. Com isso, é possível impactar um maior número de crianças e adolescentes de uma vez, colocando todos no “mesmo barco”, sem se perder no meio da disciplina. Ademais, o ensino para pessoas com deficiência pode e deve ser potencializado com a tecnologia. Por exemplo, há recursos, como vídeos, áudios e outros mecanismos, que ajudam os docentes dentro da sala de aula. 

Agora, você deve estar se perguntando: quais as dicas para o professor de Educação Física?

Basicamente, são as mesmas: tratamento de igual para igual, entender suas necessidades e desejos e não determinar o limite de cada corpo — instigue a própria criança a fazer isso. Por último uma boa dica: o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) promove cursos online e gratuitos para profissionais de educação física de todas as regiões do Brasil. Saiba mais neste link.

Ser professor é, sobretudo, buscar entender as realidades de cada estudante e promover a inclusão por meio da educação. Tornar-se capacitado para atender pessoas com deficiência pressupõe lidar com esses jovens de igual para igual, com acolhimento e muita empatia para que todos se sintam parte da comunidade escolar.


Heloisa Aun

Heloisa Aun

Jornalista e estudante de Letras na USP, trabalha desde o início da carreira com a temática dos direitos humanos e meio ambiente. Nos últimos anos, idealizou campanhas de combate ao assédio sexual e à violência doméstica. Também atua na área de educação em organizações e projetos sociais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

);

Quer receber novidades
de como a acessibilidade
está transformando o mundo?

Seu cadastro foi efetuado com sucesso.

There was an error while trying to send your request. Please try again.

Guiaderodas will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.